Tonon Bioenergia

Indústria Global de Açúcar e Etanol

Açúcar

O açúcar é um produto de primeira necessidade e uma commodity essencial produzida em várias partes do mundo. O açúcar é primordialmente derivado da cana-de-açúcar e da beterraba, com a cana-de-açúcar sendo responsável por 78,0% da produção total mundial de açúcar na safra de 2011/2012, segundo o Departamento de Agricultura Americano (USDA). O açúcar tem usos na agricultura e na indústria e sua produção demanda uma grande intensidade tanto de mão de obra como de capital.

Produtos do Açúcar

O açúcar pode ser classificado em três principais categorias (açúcar bruto, açúcar branco e açúcar líquido). Essas categorias se baseiam em dois critérios principais:

- Polarização: O conteúdo de sacarose é medido como graus de Polarização (ºS ou ºZ). Como forma de ilustração, o açúcar refinado, que é mais puro do que o açúcar cristal, tem uma leitura de mais de 99,80ºZ em comparação a 99,70ºZ para o açúcar cristal.

- Cor: A cor do açúcar branco é medida de acordo com a escala da Comissão Internacional para Métodos Uniformes de Análise de Açúcar, ou a escala ICUMSA. Essa escala mede a pureza do açúcar de acordo com a reflexão da luz através dos cristais de açúcar, com zero sendo o mais puro possível para um cristal. A escala ICUMSA varia de 15 a 1600.

Açúcar Bruto

O açúcar bruto é um sólido de cor queimada a marrom, de grânulos grossos, obtido a partir da evaporação da cana-de-açúcar clarificada ou do caldo da beterraba. É um açúcar parcialmente purificado, que se caracteriza por cristais de sacarose cobertos por um filme de melaço. O açúcar bruto é processado a partir da cana ou da beterraba em uma usina de açúcar e geralmente passa por um processo adicional de refino para a produção de açúcar branco para consumo. Seu grau de polarização varia em média de 92ºZ a 99,6ºZ. O açúcar VHP é um açúcar bruto com 99,6ºZ que permite um processo mais simplificado de refino (sem afinação).

O açúcar bruto é comercializado em US$ por libra na ICE de Nova Iorque sob o contrato no. 11. O contrato de Açúcar No. 11 é o contrato padrão mundialmente utilizado para a comercialização de açúcar. Os preços do contrato e a entrega física do açúcar de cana bruto, FOB, o navio do recebedor em um porto dentro do país de origem do açúcar O contrato de Açúcar No. 11 se refere ao açúcar de cana centrifugado bruto com base em polarização média de 96ºZ.

Açúcar Branco

O açúcar branco é um açúcar purificado com grau de polarização média entre 99,6ºZ e 99,9ºZ. O açúcar branco pode ser produzido diretamente a partir da cana-de-açúcar ou da beterraba; a única diferença no produto final é a aparência. O açúcar branco de beterraba tem a tendência de ser produzido em cristais ligeiramente menores e mais uniformes do que o de cana devido à maior pureza do concentrado de beterraba; não há diferença no gosto dos dois produtos. O açúcar branco também pode ser produzido indiretamente a partir do açúcar bruto passando por um processo de refino.

O açúcar branco pode ser subdividido em dois produtos diferentes:

Açúcar cristal. O açúcar cristal é comumente utilizado para o consumo humano direto no mercado de varejo. Ele também é largamente utilizado pela indústria agrícola e alimentícia para fazer bebidas e produtos de confeitaria. O preço de referência para o açúcar cristal é monitorado no Brasil através de um índice de preço para o açúcar cristal publicado pela ESALQ.
Açúcar refinado granulado. Esse tipo de açúcar branco é obtido a partir do açúcar cristal ou do açúcar VHP para obter cristais definidos de grãos de tamanho uniforme. É um açúcar puro, sem corantes, sem umidade e sem aglutinação. O açúcar refinado granulado é comumente utilizado para fazer xaropes de alta transparência e uma mistura seca para a confecção de produtos alimentícios como achocolatados, doces e refrigerantes, mas também de produtos farmacêuticos - todos os produtos para os quais a aparência, o escoamento e a solubilidade são qualidades muito importantes. O açúcar refinado granulado é comercializado em US$ por tonelada métrica na Euronext LIFFE de Londres, sob o contrato no. 5. O Contrato Futuro de Açúcar Branco, lançado em julho de 1983, se tornou o padrão para a comercialização do açúcar branco. A base do contrato é o açúcar branco ICUMSA 45, entregue FOB em portos designados em todo o mundo, com base em polarização mínima de 99,8 ºZ.

Açúcar Líquido

A classificação do açúcar líquido inclui produtos que somente podem ter um percentual limitado de açúcar puro ou conteúdo de sacarose. O açúcar líquido é um adoçante natural produzido a partir da sacarose e é uma solução inodora, transparente, obtida por meio da dissolução do açúcar sólido em água passando em seguida por processo de purificação e descoloração, o que garante que o produto tenha alta transparência e clareza. De forma geral, tem concentração de 66,7 a 67,3% Brix. Esse é um produto como o mesmo perfil de sabor e doçura do açúcar sólido comum e, por essas razões, altamente requisitado pelas indústrias que produzem bebidas gaseificadas.

O conteúdo mais alto de sacarose é encontrado nos produtos líquidos obtidos por meio da dissolução do açúcar em água desmineralizada, seguido das etapas de filtragem e descoloração para obter um xarope perfeitamente puro e limpo. Puro e limpo, esse xarope de açúcar é utilizado principalmente no setor de refrigerantes, em destilados e em xaropes; é principalmente recomendado para todos os usos que têm critérios de coloração muito rígidos. Em contrapartida, o açúcar líquido âmbar tem uma cor mais escura e pode ser utilizado em produtos em que a cor marrom é desejada. A isoglucose (ou açúcar invertido), que é obtida pela inversão da sacarose, também pode ser diluída para se obter o açúcar líquido. Esse xarope de açúcar invertido é um adoçante natural obtido a partir da mistura de glucose, frutose e sacarose. Ele pode ser produzido a partir da inversão ácida ou enzimática. Ele se apresenta em forma de líquido em uma solução transparente e ligeiramente amarelada com odor e sabor característicos e alto poder adoçante. Os xaropes de glucose, xaropes de dextrose, xaropes com baixa concentração de frutose e xaropes com alta concentração de maltose também são açúcares líquidos, mas são obtidos por meio da hidrólise enzimática do amido e/ou conversões químicas. Por fim, os açúcares líquidos também podem ser produzidos a partir de uma mistura de xaropes de isoglucose, glucose e açúcar.

Mercados Finais do Açúcar

Alimentos

O açúcar é o adoçante mais versátil disponível no mercado. É comumente utilizado em uma variedade de alimentos devido a suas qualidades únicas que não podem ser reproduzidas por nenhum outro ingrediente. Ele pode ser considerado uma das fontes mais baratas de energia para humanos. Também é utilizado em produtos assados, bebidas, biscoitos, refrigerantes, chocolates, produtos de confeitaria e laticínios.

Não-alimentos

Os dois principais usos não-alimentícios do açúcar são na indústria farmacêutica e de fermentação. Em alguns usos como a fermentação, o açúcar tem sido capaz de substituir parcialmente os hidrolisados ou melaço quando a arbitragem de preço está favorável para o açúcar. Esse é notadamente o caso na Europa onde o açúcar para usos industriais não é limitado pelo regime de açúcar e tem se tornado competitivo com outros substratos.

Produtos farmacêuticos.

O uso do açúcar na indústria farmacêutica é significativo, por exemplo, em doces medicamentosos, misturas de pós (medicamentos para resfriado e gripe), xaropes para tosse, comprimidos e pastilhas. Além de acrescentar o sabor doce a produtos medicamentosos para que se tornem mais palatáveis, o açúcar também tem propriedades funcionais desejáveis: baixa toxicidade, alta pureza, capacidade de agir como um conservante natural e a capacidade de controlar a dissolução de produtos medicamentosos.

Fermentação.

O açúcar também é utilizado por diversas indústrias como um substrato para bactérias e outros microrganismos vivos tais como leveduras para gerar ácidos orgânicos e outros compostos. Nesse contexto, o açúcar é um substrato de base para a produção de penicilina e vacinas ou ácidos orgânicos como a lisina. O açúcar também é uma alternativa aos hidrolisados e melaço na produção de produtos fermentados como o ácido cítrico para uso em bebidas ou detergentes ou para a produção de enzimas.

Produção e Consumo

A produção e o consumo mundial de açúcar aumentaram respectivamente 15,1% e 16,1% nos últimos 10 anos, totalizando aproximadamente 171,0 milhões de toneladas e 160,2 milhões de toneladas, respectivamente, durante a safra de 2011/2012, segundo o USDA. O consumo em geral tem sido maior que a produção, reduzindo os estoques mundiais de açúcar.

A Tonon Bioenergia acredita que o consumo de açúcar deve continuar a crescer, impulsionado pelo crescimento da população mundial, aumento do poder aquisitivo dos consumidores em diversas áreas do globo e aumento do consumo mundial de alimentos processados como resultado da migração generalizada das áreas rurais para as áreas urbanas. Por esse motivo, a Tonon Bioenergia acredita que deve haver um crescimento mais acentuado do consumo per capita na Ásia, onde a renda per capita está aumentando rapidamente e a migração da população para os centros urbanos está ocorrendo de forma acelerada.

Preços do Açúcar

Os preços não regulados no mercado internacional seguem as taxas estabelecidas pelo contrato NY11. O Contrato Futuro de Açúcar Branco No. 5 de Londres, ou a taxa Lon 5 se baseia no preço do açúcar cristal comercializado na LIFFE. No Brasil, os preços do açúcar no mercado doméstico são estabelecidos de acordo com os princípios do livre comércio. A principal taxa adotada no Brasil é estabelecida pela ESALQ. No Brasil, os preços do açúcar no mercado doméstico geralmente seguem os preços internacionais do açúcar.

O Brasil, como o maior produtor mundial de açúcar e responsável por aproximadamente 45% das exportações globais, tem um papel chave na determinação dos preços do açúcar mundialmente.

Indústria de Açúcar Brasileira

O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar para a produção de açúcar e etanol. O Brasil produz mais de 30 milhões de toneladas de açúcar por safra e mais de 20 milhões de metros cúbicos de etanol.

Etanol
O aumento nos preços do petróleo nos últimos anos e a crescente preocupação com o meio ambiente criaram condições favoráveis para o uso de recursos renováveis de energia como o etanol.

O etanol é um combustível que pode ser produzido a partir da cana-de-açúcar, milho e/ou da beterraba. É um combustível limpo e biodegradável e acredita-se que sua produção e queima não aumentam o efeito estufa. O alto conteúdo de oxigênio do etanol reduz os níveis de monóxido de carbono emitidos com a queima da gasolina, segundo a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos. As misturas de etanol reduzem as emissões de hidrocarbonetos, um grande fator contribuinte para destruição da camada de ozônio.

As preocupações e iniciativas ambientais estão aumentando a consciência da necessidade de reduzir o consumo mundial de combustíveis fósseis e passar a usar combustíveis mais limpos como o etanol.

Produção, exportação e consumo

Atualmente, os Estados Unidos e o Brasil são os principais produtores e consumidores de etanol. A maior parte do etanol produzido nos Estados Unidos é à base de milho, enquanto no Brasil, o etanol é produzido a partir da cana-de-açúcar.

A crescente preocupação com o meio ambiente e a busca por fontes de combustíveis mais limpas e renováveis, assim como o aumento do preço do petróleo, levaram muitos países a adotar, em diferentes níveis, regras sobre o uso obrigatório do etanol na gasolina.

Embora a indústria de etanol também seja regulamentada e protegida em diversos países, a Tonon Bioenergia espera no futuro ter acesso aos mercados internacionais de etanol para crescer com o aumento no uso de etanol como aditivo na gasolina, o reconhecimento de seus benefícios adicionais para o meio ambiente e as vantagens competitivas no Brasil no que diz respeito à produção de etanol.

O etanol hidratado/bruto e o etanol anidro têm dois graus diferentes de combustível de etanol (ou biocombustível).

Etanol Hidratado/Bruto. O etanol hidratado ou bruto é produzido a partir da destilação do vinho centrifugado obtido com a fermentação do caldo de açúcar e melaço. No Brasil, o etanol hidratado tem conteúdo mínimo de álcool de 92,6º, conforme determinação do Instituto Nacional de Pesos e Medidas ou INPM. O etanol hidratado é transparente e é vendido diretamente aos distribuidores de etanol hidratado e enviado às estações de gás para uso direto em veículos.

Etanol Anidro. Quando há a desidratação do etanol hidratado ou bruto para alcançar uma maior concentração de álcool etílico, o produto se chama etanol anidro. No Brasil, o etanol anidro tem conteúdo mínimo de álcool de 99,3º, conforme determinação do INPM. O etanol anidro é vendido a granel em tanques especialmente projetados para o transporte de produtos inflamáveis e é utilizado como aditivo da gasolina e posteriormente enviado aos postos de gasolina. Esse tipo de etanol é o único etanol combustível que pode ser utilizado em veículos na Europa, devido às especificações dos motores vendidos para clientes europeus.

Biocombustível. O biocombustível se define como um combustível derivado de materiais biológicos ou de subprodutos metabólicos de organismos vivos. Estes incluem a madeira, óleos vegetais, gorduras animais e esterco animal. Em contrapartida, os combustíveis fósseis, como o carvão e o petróleo, são derivados de matérias biológicas em decomposição que foram transformadas por meio de processos geológicos. Em princípio, os biocombustíveis podem ser obtidos a partir de qualquer fonte de carbono biológico, mas as fontes mais comuns são as plantas que fazem fotossíntese.

Uma série de produtos agrícolas está sendo cultivada para a produção de biocombustíveis, incluindo a cana-de-açúcar, trigo, milho, beterraba, soja e sorgo. Eles são conhecidos como agrocombustíveis. O uso de biocombustíveis está se expandindo uma vez que eles oferecem diversas vantagens em comparação aos combustíveis fósseis. Por exemplo, muitos biocombustíveis são atóxicos, biodegradáveis e renováveis. O uso de biocombustíveis reduz a dependência no petróleo e aumenta a segurança energética. Também, diferentemente dos combustíveis fósseis, que devolvem carbono que estava armazenado abaixo da superfície da terra por milhões de anos para a atmosfera, os biocombustíveis são capazes de produzir energia sem causar um aumento líquido no carbono da atmosfera. Isso ocorre porque à medida que se cultivam novas plantas agrocombustíveis, tais plantas sequestram a mesma quantidade de dióxido de carbono da atmosfera que liberarão como combustível.

Preços do etanol

Comércio Exterior

Ainda não existe um mercado mundial de etanol como existe para outras commodities de energia. Não há contrato futuro líquido global ou até localmente.

O baixo nível de comércio internacional também se dá por consequência dos programas locais de larga escala para o etanol combustível, que criam mercados locais fortes em detrimento de um forte mercado internacional. Países que são importadores líquidos de etanol geralmente arbitram os preços de importação como sendo o preço na origem mais o frete e as tarifas comerciais.

Na maioria dos países importadores, incluindo os Estados Unidos, os preços locais do etanol estão atrelados aos preços da gasolina (preços do petróleo). No Brasil, os preços do etanol geralmente estão atrelados aos preços do açúcar.

Mercado Doméstico Brasileiro

No Brasil, geralmente cerca de 7% a 8% de toda a produção de etanol é exportada. Isso faz com que os preços do etanol sejam menos dependentes dos preços no mercado externo (geralmente preços atrelados ao petróleo) e mais dependentes dos preços do açúcar no mercado local. Os preços domésticos para o etanol hidratado, anidro e industrial são coletados, analisados e divulgados diariamente, semanalmente e mensalmente pela ESALQ, criando um valioso índice que permite a existência de contratos, indexação e negociações no mercado à vista.